22 dezembro 2014

Breve Revisão dos Processos de Digestão e Absorção

Todos já devem ter se cansado de ouvir falarem do sistema digestivo no ensino fundamental, médio e na graduação de qualquer curso da área de saúde. Tanto que todos vocês sabem que o sistema digestivo tem como principal função a quebra dos alimentos que ingerimos em partículas menores e a absorção das mesmas para que possam ser usadas em processos de construção (anabolismo) ou quebras (catabolismo)  em nosso organismo.

Como ultimamente está na moda falar de nutrição e alimentação, penso que seja essencial começar a entender o básico e isso significa que conhecer o processo de digestão e absorção dos alimentos é essencial para entender qualquer outro processo relacionado com o metabolismo.

Na boca, a mastigação reduz o tamanho das partículas de alimentos, que são misturadas com secreções salivares para então serem engolidas. Uma pequena quantidade de amido é degradada pela amilase salivar, mas sua contribuição para a digestão completa dos carboidratos é pequena.

O esôfago transporta alimentos e líquidos da cavidade oral e faringe para o estômago.

No estômago, o alimento é misturado com líquido ácido e enzimas proteolíticas e lipolíticas. Há digestão de pequena quantidade de lipídios e algumas proteínas têm a sua estrutura alterada ou são parcialmente digeridas em grandes peptídios.

Quando o alimento atinge consistência e concentração apropriadas, o estômago permite que o seu conteúdo passe para o intestino delgado, no qual ocorre a maior parte da digestão. Nos primeiros 100cm do intestino delgado, ocorre uma enxurrada de atividades, resultando em digestão e absorção da maior parte dos alimentos ingeridos.

A presença de alimento no intestino delgado estimula a liberação de hormônios que, por sua vez, estimulam a produção e liberação de enzimas potentes pelo pâncreas e intestino delgado, e de bile pelo fígado e vesícula biliar.

Com a liberação das enzimas no intestino delgado o resultado é uma redução dos amidos e proteínas em carboidratos de menor peso molecular e peptídios de tamanho médio e grande. As gorduras dietéticas são reduzidas, dos glóbulos visíveis de gordura primeiro a gostas microscópicas de triglicerídios e, então, a ácidos graxos livres e monoglicerídios.

As enzimas da borda em escova do intestino delgado reduzem ainda mais os carboidratos remanescentes em monossacarídios e peptídios em aminoácidos simples, dipeptídios e tripeptídios.

Juntas, as secreções do pâncreas, intestino delgado e vesícula biliar, além de salivar e gástrica, fornecem cerca de 7 a 9 L de líquidos em um dia, cerca de três a quatro vezes mais líquidos do que são normalmente consumidos por via oral. Da quantidade total de líquidos dos que entram no lúmen intestinal, apenas 100 a 150 mL não são reabsorvidos.

O movimento do material ingerido e secretado no trato GI é regulado principalmente por hormônios peptídios, nervos e músculos entéricos. Ao longo do intestino delgado, quase todos os macronutrientes, vitaminas, minerais, elementos-traço e líquidos são absorvidos antes de chegar ao cólon, ou intestino grosso.

O cólon e o reto absorvem a maior parte dos líquidos que chegam ao intestino delgado; o cólon absorve eletrólitos e apenas uma pequena quantidade dos nutrientes remanescentes.

A maioria dos nutrientes absorvidos pelo trato GI chega ao fígado pela veia porta, na qual podem ser armazenados, transformados em outras substâncias ou liberados na circulação sanguínea.

Os produtos finais da maioria das gorduras dietéticas são transportados, por fim, para a corrente sanguínea pela circulação linfática.

O intestino grosso também fornece um armazenamento temporário de produtos que serão eliminados; e o cólon distal, o reto e o ânus controlam a defecação.

Viram o quanto o sistema digestivo pode ser complexo? Pois é, e fiquem sabendo que qualquer falha nas etapas explicadas nesse texto podem gerar problemas de digestão ou absorção dos alimentos. Tanto que é bastante comum encontrar pessoas que se alimentam de maneira adequada com problemas de desnutrição.

Que tal ver todas essas etapas de perto? Assistam o vídeo abaixo e compreendam o que foi descrito aqui. 



Referências: 
KRAUSE - ALIMENTOS, NUTRIÇÃO E DIETOTERAPIA, 12º EDIÇÃO

0 Comentários: